Pré-estreia de Rogue One terá sorteios e premiação para fãs da saga

Divulgação 7ec5fc9f be9a 443e b277 78c14f0fa506 Rogue One: Uma História Star Wars

Cosplays e fãs da saga Star Wars, está chegando a hora! Na madrugada de quinta-feira, às 0h, ocorre a sessão de pré-estreia de “Rogue One: Uma História Star Wars” e para homenagear os nerds de plantão a Rede Cinesystem, juntamente com o Canal Bang, Conselho Jedi de Alagoas e a Gracom, vão sortear brindes e premiar as melhores fantasias antes da exibição do filme no Parque Shopping Maceió.

Para concorrer, basta pegar sua fantasia de Wookie, Jedi, Sith ou de qualquer outra espécie que envolva o mundo de Star Wars. As premiações vão de cortesias de ingressos para qualquer filme que esteja em exibição na Rede Cinesystem a itens exclusivos da franquia.

Rogue One: Uma História Star Wars é uma aventura épica e totalmente nova. Em um período de conflito, um grupo de heróis improváveis se reúne em uma missão para roubar os planos da Estrela da Morte, a arma de destruição definitiva do Império. Esse evento chave na linha do tempo de Star Wars aproxima pessoas comuns que escolheram fazer coisas extraordinárias e que, ao fazê-las, tonaram-se parte de algo maior do que elas mesmas.

O filme conta com um elenco estrelado com Felicity Jones (Jyn Erso), Diego Luna (Capitão Cassian Andor), Donnie Yen (Chirrut Imwe), Jiang Wen (Baze Malbus), Riz Ahmed (Bohdi Rook), Alan Tudyk (K 2SO), Mads Mikkelsen (Galen Erso), Ben Mendelsohn (Diretor Orson Krennic) e Forest Whitaker (Saw Gerrerera).

As vendas estão a todo vapor através do site ingressos.com, confira como comprar clicando aqui. O longa chega aos cinemas em 15 de dezembro com direção de Gareth Edwards (Godzilla).

 

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Confira os trailers inéditos de Homem-Aranha, Assassin's Creed e Planeta dos Macacos

Divulgação Ceafc0e8 b7c4 4c2e a7c4 48736158e62a Homem-Aranha: De Volta ao Lar

Após teasers e divulgações de imagens durante a Comic Com Experience, no Brasil, os estúdios da Fox, Paramount e Sony divulgaram, nesta semana, trailers de alguns dos filmes mais aguardados de 2017, entre eles do Homem-Aranha, Planeta dos Macacos: A Guerra, Assassin’s Creed e Transformers: O Último Cavaleiro.

Confira abaixo cada um dos trailers:

Homem Aranha: De Volta ao Lar

“Um jovem Peter Parker/Homem-Aranha (Tom Holland), que fez sua estreia sensacional em ‘Capitão América: Guerra Civil‘, começa a navegar sua nova identidade como um super-herói lançador de teias em ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar‘. Animado por sua experiência com os Vingadores, Peter retorna para casa, onde vive com sua Tia May (Marisa Tomei), sob a vigilância de seu mentor Tony Stark (Robert Downey Jr.). Peter tenta voltar a sua rotina – distraído por pensamentos de se provar mais do que só o amigo da vizinhança – mas quando o Abutre (Michael Keaton) emerge como um novo vilão, tudo o que é mais importante para Peter será ameaçado”.

 

 

Planeta dos Macacos: A Guerra

“O terceiro capítulo da franquia aclamada pela crítica e público mostra Caesar e seus seguidores sendo forçados em um conflito mortal contra um exército de humanos liderado por um coronel impiedoso. Depois que os macacos sofrem perdas inimagináveis, Caesar luta contra seus mais sombrios instintos e inicia sua própria jornada mítica para vingar seu povo. Quando ficam cara a cara, Caesar e o Coronel se enfrentam e uma épica batalha para determinar o destino de ambas as espécies e o futuro do planeta”.

 

 

Assassin’s Creed

Por meio de uma tecnologia revolucionária que destrava suas memórias genéticas, Callum Lynch (Michael Fassbender) experimenta as aventuras de seu ancestral, Aguilar, na Espanha do século XV. Callum descobre que é descendente de uma misteriosa sociedade secreta, os Assassinos, e acumula conhecimentos e habilidades incríveis para enfrentar a organização opressiva e poderosa dos Templários nos dias de hoje.

 

 

Transformers: O Último Cavaleiro

“Os robôs gigantes alienígenas do bem Autobots entram, mais uma vez, em uma grande batalha contra os Decepticons” (A sinopse oficial ainda não foi divulgada)

 

 

Espera algum desses filmes em 2017? Então se prepare, porque ainda tem muito mais por vir.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Cinco motivos para ir à Comic Con Experience 2017 em Recife

Foto: Omelete 1026f109 768e 48ba a0e5 427eacd93b37 Cosplays de Arlequina na CCXP

A Comic Com Experience já pode ser considerada um dos maiores eventos geeks do mundo apenas no terceiro ano. Isso porque grandes atores já puseram os pés em São Paulo como Vin Diesel, Neil Patrick Harris, Terry Crews, Adam Sandler, Carlos Villagran, Edgar Vivar, Milla Jovovich, James Gunn e tantos outros graças a CCXP.

Após viver um fim de semana realmente épico, vou listar cinco motivos do porquê você, querido leitor e fã da cultura nerd, deve arrumar suas malas, pegar o avião e ir direto para a Comic Com Experience Tour Nordeste, que acontece entre os dias 13 e 16 de abril de 2017, em Recife.

 

 

1.     Painéis

 

Painel do Frank Miller na CCXP (Foto: Omelete)

Os painéis são as melhores coisas que qualquer Comic Com proporciona. Grandes atores vem para o Brasil para conversar sobre variados temas, além dos grandes estúdios apresentarem conteúdos exclusivos ou antecipados de filmes que estão por vir. Neste ano por exemplo, em São Paulo, no painel da Marvel, o diretor James Gunn apresentou 10 minutos de cenas do filme Guardiões da Galáxia Vol. 2 que só estreia em abril de 2017. A Fox apresentou 5 minutos de cenas dos filmes de Assassin’s Creed e Logan.

 

2.     Artists Alley

Você é um grande fã de algum quadrinista seja ele brasileiro ou não? Na CCXP, o fã pode conversar, tirar foto, abraçar e curtir cada minuto com seu ídolo sem precisar pagar absolutamente nada. No ano passado, o mestre Frank Miller atendeu atenciosamente cada fã enquanto falava sobre os futuros trabalhos. Este ano, nada mais nada menos que Brian Azzarello esteve presente no evento. Outros como Jae Lee e Maurício de Souza, além de mais de 400 artistas foram a Comic Con.

 

3.     Stands

 

Stand da Sony pictures na CCXP (Foto: Bruno Levy)

 

Os stands apresentam painéis interativos dos grandes estúdios e vendas dos mais diversos produtos oficiais. A Warner na última edição da CCXP deu uma bolsa grátis para cada fã que tirasse uma foto com o símbolo do vindouro filme da Liga da Justiça. No stand da Fox, as pessoas realizavam o “Salto da Fé”, do game e filme de Assassin’s Creed. No stand da Twitch, foram transmitidos os campeonatos de Counter-Strike: GO e League of Legends. Stands de vendas como o de quadrinhos da Panini e de Action Figures colecionáveis da Iron Studios também marcaram presença.

4.     Organização

 

Stand do Omelete na CCXP (Foto: Omelete)

 

Se tem uma coisa que não se deve reclamar das Comic Cons Experience é a organização. Não era difícil andar pelos corredores do evento, tampouco sair. O mais difícil era organizar a entrada dos geeks e nerds, afinal todo fã de games, cinema e quadrinhos não vê a hora de entrar em uma CCXP. Nada a reclamar. Filas são recorrentes em todo o tipo de evento deste gênero e no Brasil não seria diferente, porém tudo foi feito de maneira correta e que agradasse todo o público.

5.     Cosplays

 

Cosplays na CCXP (Foto: Bruno Levy)

 

Talvez a segunda melhor parte da CCXP sejam os cosplays. Desde um Jason Voores a uma Harley Quinn, passando por um Coringa, um Batman, um Homem de Ferro, os cosplays são um espetáculo a parte. Incrível como os fãs passam determinada parte do tempo e gastam seu dinheiro  fazendo uma fantasia do seu personagem favorito. Eles literalmente param as “ruas” das Comic Cons para tirar foto com admiradores.

Não há arrependimento algum em pegar seu dinheirinho suado para curtir a CCXP, principalmente agora que está mais perto de nós, alagoanos. É algo inesquecível, a energia é incrível! Pode confiar.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

O sentimento de vivenciar uma Comic Con no Brasil

Foto: Omelete Fbd2d2bf ec3f 47df a07d a7a530003f04 Auditório Cinemark, na CCXP

Já fez aquilo que sempre quis fazer e desejasse que nunca terminasse? Pois bem, passei os quatro melhores dias da minha vida vendo, fazendo e participando de algo que amo completamente: nerdices. E não há melhor lugar que um evento chamado de Comic Con Experience, realizado todo ano em São Paulo, desta vez a edição ocorreu entre os dias 1 e 4 de dezembro.

Nesta terça-feira, 06, após dias sem postar nada no blog, decidi passar para os amantes do cinema, quadrinhos, séries e afins, como é vivenciar 44 horas andando pelos corredores, lojas, stands e painéis do maior evento geek da américa latina (por enquanto).

Ao chegar na cidade de São Paulo, na manhã de quinta-feira, 01, já era possível sentir um ar diferente, não de fumaça, mas sim de empolgação com o que estava por vir. Do aeroporto para o hostel, do hostel para a Comic Con, sem paradas. Na fila, um sentimento de ansiedade, misturado a alegria de estar no lugar onde sempre quis estar. A curiosidade de uma criança de 23 anos em ver grandes ídolos da oitava e nona arte no Brasil, há 2453km de Maceió.

O pé direito passa a porta e uma explosão de felicidade ocorre dentro de mim, ultrapassando todos os limites da endorfina, provocando o sintoma de um sorriso que durou todo o dia. Era diferente. As pessoas entendiam do que eu falava e vice-versa. Eu estava ali no meu mundo, na minha área. Aquelas pessoas eram as minhas pessoas, nós falávamos uma língua totalmente diferente da língua do dia a dia. Inexplicável.

A São Paulo Expo com seus exagerados 100 mil m² ficou pequena para tanta gente. Com um público de 180 mil pessoas durante os quatro dias, a CCXP coloriu São Paulo com Fox, Marvel, DC, Warner, Sony, Netflix, Universal Pictures, Disney e tantas outras empresas que estiveram lá. São Paulo foi pintada pelas mãos de Frank Miller, Briaz Azzarello, Jae Lee, Maurício de Souza e tantos outros artistas. São Pualo se tornou nerd.

As filas eram pequenos obstáculos que eram superados para a realização de pequenos sonhos como quebra-cabeças. Tudo valia a pena. Todo o esgotamento físico valia a pena. No sábado, 03, por exemplo, passei SEIS horas na fila para entrar no mundo do auditório Cinemark com mais 3.499 pessoas apenas para ver James Gunn, diretor de Guardiões da Galáxia, gritando “HELLO BRAZIIIIIL” e apresentar um novo conteúdo para os fãs.

Entrando na Expo, me sentia em um novo universo. Um universo onde pessoas não tinham vergonha de ser o que são. Onde pessoas se vestiam estranho, mas que quem via amava tirar uma fotografia para guardar de lembrança. Pessoas que amam o jeito nerd de ser, sem julgamentos e sem ligar para os críticos de plantão. A inveja tem sono leve e nós fizemos um barulho enorme.

Viva Milla Jovovich, viva Natalie Dormer, viva Carlos Villagrán (o Quico), viva Vin Diesel, Nina Dobrev, Michael Bisping, Neil Patrick Harris que nos ajudaram com o barulho.

Viva o grupo Omelete que trouxe uma atração exclusivamente internacional direto para o Brasil com a mesma grandeza!

Viva a Comic Con Experience

 

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Análise: Qual foi o pior filme de super-heróis em 2016?

Ilustração 2af43e92 db9f 411a b4c1 5c100a927620 Michal Fassbender como Magneto

Após analisar e decidir que “Batman vs Superman: A Origem da Justiça” foi o melhor filme de super-heróis em 2016, chegou a vez de escolher o pior dentre eles. Como havia explicitado no post anterior, o ano não foi muito bom para o gênero, afinal, nenhum chegou ao patamar de longas como “Guardiões da Galáxia”, “Cavaleiro das Trevas” e “Capitão América: O Soldado Invernal”.

Não foi difícil escolher, porém um outro filme da DC Comics chegou muito perto da marca de pior do ano do gênero, “Esquadrão Suicida”. O posto, entretanto, fica com “X-Men: Apocalypse”, o sexto da franquia dos mutantes e que foi dirigido por Bryan Singer.

As falhas são incontáveis e o resultado foi pedradas da crítica, público e bilheteria. Após um excelente “X-Men: Primeira Classe” e “X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido”, Apocalypse deixou muito a desejar. O roteiro tem mais furos que peneira, o vilão não trás a tensão necessária e nem o terror aos adolescentes mutantes, além de Jennifer Lawrence e seu protagonismo desnecessário, sendo uma péssima mística.

 

 

Bryan Singer se perdeu e foi o maior responsável pelas fraquíssimas atuações de Tye Sheridan (Scott Summers, o Ciclope), Oscar Isaac (Apocalypse), Josh Helman (William Stryker), Sophie Turner (Jean Grey) e o infame e inútil Anjo (Ben Hardy). O filme não tem continuidade, tem péssima fotografia, enredo disperso e diálogos desinteressantes. Outro erro notável é, mais uma vez, tornar Magneto (Michal Fassbender) uma ameaça. Já não bastaram quatro filmes da franquia que transformaram Magneto em vilão, resolveram repetir a dose.

Talvez os pontos positivos ainda salvaram X-Men de um fracasso total, como a libertação do Logan (Hugh Jackman), o poder da Fênix de Jean Grey e, claro, mais uma fantástica cena com o Mercúrio (Evan Peters) na mansão para jovens superdotados do Professor Charles Xavier (James McAvoy). O que me deixou bastante feliz foi a aparição da jovem Tempestade, interpretada pela Alexandra Shipp. Ela se mostrou imponente e forte a todo instante, além de ser uma Ororo ainda irresponsável pela juventude, mas que, caso haja novos filmes da saga, pode ser que tenha um futuro promissor.

 

 

Outro ponto positivo foi Psylocke. Mesmo com pouco tempo de tela e sendo sub-aproveitada na trama, Olivia Munn foi capaz de ser fiel à personagem dos quadrinhos. Ela foi a escolha perfeita, parecendo até que saiu diretamente dos quadrinhos para cinema.

Nota 7 ou 3 estrelas

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Qual foi o melhor filme de super-heróis em 2016?

Ilustração 65ecb0a6 9461 411d bf73 534fd1f65d8f Batman vs Superman: A Origem da Justiça

Diante de um ano cheio de filmes de heróis em 2016, chegou a hora de decidir qual foi o melhor. Ao todo, seis foram lançados, um número excelente para mostrar aos haters (sim, Tarantino, sou seu fã, mas passo esse número na sua cara) que o gênero não está escasso e está muito longe disso, afinal temos filmes até 2020, no mínimo.

Apesar disso, o ano não foi muito bom para os filmes da Marvel, DC e Fox, visto que os longas não chegaram nem perto do patamar apresentado em “O Cavaleiro das Trevas”, “Guardiões da Galáxia” ou “Capitão América: O Soldado Invernal”. A Marvel não ousou em “Guerra Civil” e “Doutor Estranho”, a DC falhou duas vezes, uma em cortar partes importantes do filme e outra em deixar um roteiro pífio com Esquadrão Suicida, e a Fox falhou miseravelmente em “X-Men: Apocalypse”.

Dois deles se sobressaíram, porém o posto de melhor fica para: “Batman v Superman: A Origem da Justiça” (o outro foi “Deadpool”). Esqueçamos a versão que foi apresentada nos cinemas e foquemos na versão estendida apresentada no bluray. “BvS” é e sempre será um dos filmes mais controversos para os cinéfilos, onde há muita gente que não goste e há muita gente que goste. É o tipo do filme ame ou odeie.

Com um olhar mais profundo, o diretor do filme, Zack Snyder, apresentou os dois maiores heróis do mundo em confronto, um homem e um deus, Batman e Superman. Claro, não teria a mínima condição de fazer um filme como “Capitão América: Guerra Civil”, cheio de ação, acrobacias e coreografias. Afinal, o Superman voa e é superpoderoso e Batman é um humano com armadura. Quem esperava ação a todo instante ou era leigo ou era apenas ingênuo, pois trata-se de uma luta até injusta.

 

 

O filme precisava apresentar muita gente, o novo Batman de Ben Affleck, a Mulher Maravilha de Gal Gadot, o Lex Luthor de Jesse Einsenberg e a Liga da Justiça. A Marvel já está no meio do caminho com todos os personagens prontos em um filme que não adiciona absolutamente NADA no universo compartilhado da editora (sim, falo de Guerra Civil).

Batman vs Superman mostra uma nova visão nos filmes de super-heróis. Bem mais sombrio, sério e “real”, possui diálogos inteligentes, imagens ao estilo “Watchmen” (do mesmo diretor), uma fotografia de encher os olhos e uma trilha sonora absurda totalmente nova com a maestria de Hans Zimmer e todo o metal de Junkie LX.

Apesar de todas as dificuldades, o filme entrega aquilo que promete, entrega aquilo que realmente é nos quadrinhos e ainda mais, entrega a melhor Mulher Maravilha possível. Apesar de falhas graves como um início muito maçante, a versão do cinema e CGI falho, BvS consegue arrepiar e levar o público ao delírio com a apresentação da trindade, com um Superman cheio de dúvidas e mais humano, a sua morte já no segundo filme do universo compartilhado da DC e existir o Batman/Brunce Wayne mais fiel de todos os tempos.

 

 

Na época, a minha crítica a Batman vs Superman: A Origem da Justiça foi totalmente positiva, com 4 estrelas/nota 9.

Na sua opinião, querido leitor, qual foi o melhor filme de super-heróis em 2016?

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Começou a pré-venda de ingressos para "Rogue One: Uma História Star Wars"

Divulgação Fb002196 7f6e 4fd8 b55c 3e0b305ab937 Jyn (Felicity Jones) em Rogue One

A pré-venda de ingressos para a estreia de “Rogue One: Star Wars”, no dia 15 de dezembro, começou nesta segunda-feira, 28, em todos os cinemas do país.

A história de Rogue One vai retratar a vida de Jyn (Felicity Jones), fora-da-lei que adere à Aliança Rebelde e a um grupo de renegados com a missão de roubar os planos da Estrela da Morte, arma cuja concepção é atribuída ao pai dela, Galen Erso (Mads Mikkelsen). Rogue One se passa antes do Episódio IV da saga.

Segundo o executivo de Lucas Film, Pablo Hidalgo, a duração do longa deve ser de 2h13min. Ele revelou a informação no twitter em conversa com um fã.

O filme possui um elenco estrelado com Diego Luna (Capitão Cassian Andor), Donnie Yen (Chirrut Imwe), Jiang Wen (Baze Malbus), Riz Ahmed (Bohdi Rook), Alan Tudyk (K 2SO), Ben Mendelsohn (Diretor Orson Krennic) e Forest Whitaker (Saw Gerrera).

 

Confira os links para compra:

Cinesystem Parque Shopping Maceió - Somente no atendimento!

Kinoplex Maceió Shopping - Compre aqui!

Centerplex Shopping Pátio Maceió - Compre aqui!

Cinesystem Arapiraca Garden Shopping - Compre aqui!

 

Confira o trailer final legendado de Rogue One:

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Quais são os seis estúdios que mais fizeram dinheiro no cinema?

Ilustração Bba67689 3ce1 44c0 a432 1c4a13705392 Cinema

O mercado cinematográfico nunca lucrou tanto como nos últimos, graças à aproximação do público no mundo que passou a gostar mais da sétima arte como também a tecnologia permitiu que os preços dos ingressos inflassem, graças ao 3D e o IMAX, por exemplo.

E que tal saber quais as seis empresas que mais lucraram em toda a sua história? Vocês sabem dizer qual está em primeiro lugar? Confira agora:

6. 20th Century Fox

A sexta maior empresa de cinema do mundo é dona do filme de maior bilheteria de todos os tempos. A Fox, de Rupert Murdoch, foi criada em 1935 e foi responsável pela produção de Avatar (2009) que lucrou US$ 2.787.965.087,00 no mundo. O estúdio fica localizado na Century City, em Los Angeles, na Califórnia, pouco a oeste de Beverly Hills e é uma subsidiária da 21st Century Fox.

Fox: US$ 30.754.345.763,00 (bilhões)

 

20th Century Fox

 

5. Universal

A Universal Pictures foi criada em 1912 pelo alemão Carl Laemmle. Trata-se de um dos mais antigos estúdios de cinema que fica localizado em Universal City, na Califórina, nos EUA. É de propriedade da Comcast e da subsidiária NBCUniversal.

O filme do estúdio que mais fez bilheteria foi Jurassic World (2015) com US$ 1.670.400.637,00 em todo o mundo, se tornando a quarta maior bilheteria de todos os tempos.

Universal: US$ 31.101.006.669,00 (bilhões)

 

Universal Pictures

 

4. Paramount

Assim como a Universal, a Paramount é um dos mais antigos estúdios já fundados, também em 1912 pelo húngaro Adolph Zukor. Ele fica localizado em Los Angeles, no estado de Nevada, nos EUA. A Paramount foi um dos maiores e mais lucrativos estúdios de Hollywood nos anos 1920, 1940 e 1970.

O filme com maior bilheteria foi o grandioso Titanic, detentor do por muito tempo da maior bilheteria de todos os tempos e agora está em segundo lugar, com R$ 2.186.772.302,00.

Paramount: US$ 31.507.442.518,00

 

Paramount Pictures

 

3. Sony/Columbia Pictures

Mais conhecida apenas por Sony Pictures, é a unidade de produção e distribuição de filmes da multinacional japonesa Sony, com sede em Culver City, Califórnia, (Estados Unidos) e com a sede administrativa em Tóquio, no Japão. A empresa foi fundada em 1989, após a aquisição do estúdio de cinema tradicional Columbia Pictures da The Coca-Cola Company e renomeado para Sony Pictures Entertainment em 1991.

O 25º longa da franquia 007, Skyfall (2012), foi o de maior bilheteria da empresa, somando US$ 1.108.561.013,00 em todo o mundo e está em 15º lugar de todos os tempos.

Sony Pictures: US$ 33.571.576.274,00

 

Sony Pictures

 

2. Buena Vista/Walt Disney

A Disney é a segunda empresa cinematográfica que mais fez dinheiro em toda a sua história. Dona da Marvel, a Disney foi fundada em 16 de outubro de 1923, por Walt Disney e Roy Oliver Disney com o nome de Disney Brothers Cartoon Studios e estabeleceu-se como pioneira na indústria de animação, até diversificar seus produtos para filmes em live-action, redes de televisão e parques temáticos. 

A companhia fica localizada em Burbank, na Califórnia, nos EUA. Ela é responsável pelo terceiro filme de maior bilheteria de todos os tempos, Star Wars: O Despertar da Força (2015), que fez US$ 2.068.223.624,00 em todo o mundo. A Disney tem cinco filmes no Top 10 de maior bilheteria.

Walt Disney: US$ 37.186.814.718,00

 

Walt Disney Studios

 

1. Warner Bros.

Em primeiríssimo lugar vem a minha empresa favorita de cinema: Warner Bros. Dona das franquias Harry Potter, Batman e Matrix, a Warner foi fundada em 4 de abril de 1923 pelos irmãos Warner e detém também o posto de maior produtoras de filmes no mundo, com 867 filmes. A empresa é subsidiária da Time Warner, com sedes nas cidades de Burbank, Califórnia e Nova Iorque.

Atualmente, a empresa foca nos filmes de heróis da DC Comics e na quintologia de Animais Fantásticos e Onde Habitam, de J. K. Rowling. Mesmo sendo o estúdio mais rico, o filme com maior bilheteria está apenas em oitavo lugar, sendo Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2 (2011) com US$ 1.341.511.219,00.

Warner Bros: US$ 39,482,158,262 (bilhões)

 

Warner Bros.

 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

E se a Netflix ou HBO adaptar uma série sobre o Cangaço?

Foto: Beijamin Abrahão B2e63c83 7fd5 468b 9225 2ac4f6c056f3 O bando de Lampião

Diante da vindoura inédita série de TV totalmente nacional da Netflix, chamada de “3%” e que estreia no dia 25 de novembro na plataforma streaming, percebe-se que as grandes empresas no país abriram os olhos para este mercado que resulta em rios de dinheiro para a produtora. Não é a toa que a Globo abriu os olhos e disponibilizou parte do horário para séries nacionais como Supermax, Justiça, Dupla Identidade e outros.

Mesmo assim, de dez séries produzidas no país, duas ou três se salvam no limite, pois não conseguem prender o público, não importa se esse público gosta ou não do conteúdo nacional. O Brasil tem um acervo infinito de possibilidades para séries de TV, mas preferem fazer uma da “Bruna Surfistinha”, chamada de “#MeChamaDeBruna”, como se já não houvesse um filme da grande “celebridade” brasileira.

Pensando nisso, tive uma ideia que pode parecer louca, querido leitor, mas que pode render uma história incrível, passiva de prêmios se bem feita. Imagina que, bem aos moldes da HBO ou da Netflix, fosse adaptada uma série do Cangaço? Sim, uma adaptação de uma das histórias mais enigmáticas do mais conhecido anti-herói brasileiro, Virgulino Ferreira da Silva.

Seria ele um criminoso? Um herói? Sendo esse o viés da série. Deixando o público atento aos detalhes e a rica história de um dos acontecimentos mais incríveis do nordeste brasileiro.

 

Lampião e Maria Bonita (Foto: Registro histórico)

 

Imagina apresentar a série de modo sombrio, sem necessariamente um narrador para explicar a história a todo o momento como foi em “Narcos”, mas que fosse usado sem excesso em partes importantes da trama, já que a complexidade é algo presente na história do Cangaço.

Apresentar Virgulino e seu bando agindo nas décadas de 20 e 30 em quase todos os estados do nordeste do país, um cenário em meio à caatinga, da guerra com os Volantes (grupo criado para combater o cangaço), contra os coronelistas, contra a fome, a pobreza, a brutalidade, a decisão de Getúlio Vargas, no Estado Novo, de eliminar todo e qualquer foco de desordem sobre o território nacional, a morte e o desfile com a cabeça de Virgulino Ferreira.

Seria incrível, não? Não acha que seria? Comente e vamos discutir sobre o assunto.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Curtas do cinema: Creed 2, Rocky, Batman e Animais Fantásticos

Reprodução 6e0a32a7 fb2a 4ce8 8bb6 f69fb9b735fb Rocky (1976)

O novo filme de “Creed – Nascido Para Lutar” vem aí. A continuação deve começar as primeiras conversas nas próximas semanas e, segundo o site THR, o filme vai focar mais na história de Adonis Creed (Michale B. Jordan), do que em Rocky Balboa (Sylvester Stallone).

Ryan Coogler, que dirigiu o primeiro filme, deve voltar somente como produtor, por conta de sua confirmação como diretor do filme solo do “Pantera Negra”.

Falando em Creed, nesta segunda-feira, 21, o personagem Rocky Balboa faz 40 anos, desde a primeira aparição lá em 1976. O primeiro filme, rodado na Filadélfia, custou menos de US$ 2 milhões e arrecadou US$ 118 milhões em bilheteria. Stallone,que era desconhecido na época, teve que levar muitos nãos até conseguir o papel do Garanhão Italiano.

O Omelete fez uma reportagem resgatando a história de um dos personagens mais amados do cinema. Rocky ganhou três Oscars como melhor filme, melhor diretor e melhor montagem.

Leia clicando aqui

 

Animais Fantásticos e Onde Habitam (Warner Bros)

 

O primeiro filme da quintologia de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” arrecadou, neste fim de semana, US$ 75 milhões de dólares em bilheteria só nos Estados Unidos. Se somarmos com o restante do mundo, a arrecadação chega a incríveis US$ 218 milhões.

A Warner Bros, produtora da nova franquia, esperava que o filme conseguisse a marca de US$ 200 milhões no mundo, lembrando que o filme ainda não estreou na China, o segundo maior mercado cinematográfico.

 

Ben Aflleck como Batman (Foto: Entertainment Weekly)

 

O novo filme do Homem-Morcego, intitulado de “The Batman” não terá a presença da Mulher-Gato. Segundo o editor da Fandango, Erik Davis, Sienna Miller, que atuou com Ben Affleck (Batman v Superman: A Origem da Justiça) em “A Lei da Noite”, queria ter interpretado a personagem, porém ela antecipou que Selina Kyle não está no roteiro do filme.

Ainda não há data de estreia confirmada para o filme do Batman, porém, acredita-se que seja no final de 2018 ou inicio de 2019.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.
Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com