Enfim, o pronunciamento de Almeida

Importante – ainda que tardio – o pronunciamento do prefeito Cícero Almeida (PP) por meio de sua assessoria de imprensa para enfim estabelecer um posicionamento sobre a suposta declaração dada durante a sessão Parlamento na Praça da Câmara Municipal de Maceió. Importante, pois dá a versão oficial dos fatos.

Este blog fez parte do grupo de blogueiros e jornalistas que divulgou o assunto, sempre colocando como supostas declarações, pois – desde o princípio; quem leu aqui, viu – foi levantada a possibilidade de um mal entendido, inclusive colocando o que seria uma primeira versão da assessoria da Prefeitura Municipal, dada ao deputado federal Maurício Quintella (PR).

Porém, registre-se, que a imprensa em peso – após a nota – procurou o áudio da gravação, além de tentar ouvir o prefeito sobre a suposta declaração a um repórter. Como coloco, na matéria com Quintella, uma empresa de clipagem chegou a cobrar pelo áudio, mas diz que ele contém falhas na fala do prefeito.

Logo, busca sem êxito, ao menos para este blogueiro! Restou ouvir a bancada federal para saber se tinham acompanhado o assunto. Pelo menos dois deputados federais se pronunciaram com cautela, até então devida.

O prefeito nega ter insinuado que a bancada federal tenha ficado com parte dos recursos federais. Ele assegura que o que disse é que das emendas aprovadas – com cifras de R$ 80 milhões – apenas R$ 5 milhões conseguem chegar a Alagoas. Este blog sempre se posicionou – como ainda se posiciona – ressaltando como suposta declaração, sem aspeamentos indevidos. Ainda destacou, o tempo todo que era uma atribuída declaração, ou que poderia ser um mal-entendido.

Busquei ouvir o próprio prefeito, mas não consegui êxito!

O assunto tornou-se público e fora de controle, porque o início de tudo se deu no dia 30 de junho e só agora o prefeito se posiciona. Fui um dos que tratou do tema e tenho a consciência tranquila que – em momento algum – acusei o prefeito Cícero Almeida de ter dito o que quer que seja. O que cobrei, por meio dos meus textos, é o que se dá agora: um posicionamento sobre os recentes fatos ocorridos, desde a primeira entrevista que fiz com o deputado federal Maurício Quintella (PR).

Que – o parlamentar - de forma sensata buscou os mesmos esclarecimentos que eu buscava; e por – evidentemente – ter mais acesso, teve as explicações que aqui foram reproduzidas. Em todo caso, ressalto a importância de Almeida vir a público prestar a declaração que todos estavam em busca desde o dia 30, inclusive a própria bancada, não só jornalistas. Entendo as críticas feitas à imprensa e asseguro que de minha parte não houve outra intenção que não a de buscar o esclarecimento devido, seja de Almeida, ou da bancada.

Agora, é com o leitor – diante de todos os fatos expostos – fazer seu juízo de valor. Concordo inclusive que o jornalismo não pode se pautar pelo “quanto pior, melhor”, ou por perseguições. Quanto ao posicionamento de Almeida sobre o fato, está disposto no corpo do site Cada Minuto. Recomendo que os que acompanharam o caso, leiam, releiam e façam suas avaliações e considerações.

De um lado Almeida diz que não disse o que saiu nas notas; do outro lado: jornalistas que afirmam que ouviram do prefeito o que consta nestas pequenas matérias! Se a Secretaria de Comunicação diz possuir o áudio que – em definitivo – comprova a versão do prefeito dada somente agora, sugiro que esta gravação seja divulgada.

Eu faço questão de solicitá-la. Se tiver acesso, a colocarei no blog! Compromisso assumido, já que desde o início, tentei conseguir esse registro com diversas fontes.

 

Atualização: O vídeo foi postado no site do Cada Minuto! Aqui abaixo segue também no meu blog, como prometido. Tive acesso ao mesmo tempo que o site, mas só agora pude publicar. Fica aqui o registro para uma avaliação mais precisa por parte do leitor. Ouvindo o áudio, posso afirmar: o prefeito pode até não ter tido a intenção de dizer, mas que tropeçou nas palavras, tropeçou! Que o leitor possa fazer sua avaliação!

 

A frase: "Na propaganção enganosa, que é feita em muitos momentos, o cara chega e coloca...é, eu coloquei R$ 70, R$ 80 milhões para a capital do Estado de Alagoas e ele quando chega lá, ele tira R$ 5 (milhões) e se dá por satisfeito. Mas, durante o processo político, ele propaga isso durante uma vida inteira".

 

Bom, com a declaração ouvida e com o áudio, ou o prefeito disse que alguém fica com R$ 5 milhões, ou disse que o "cara" só consegue trazer R$ 5 milhões dos R$ 80 milhões prometidos e passa a se vangloriar isto a vida inteira. Em qualquer caso, uma crítica pertinente à bancada, que não há como negar! Em todo caso também - na minha avaliação - distante da explicação da nota oficial. Com a atualização - como prometido - faço meu juízo de valor, após ter ouvido o áudio!

Estou no twitter: @lulavilar
 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

As apostas no nome de Lessa, em 2012

Os peemedebistas alagoanos estão na espera do senador Renan Calheiros – principal nome do partido – bater o martelo para definir os rumos das eleições de 2012 na capital alagoana. De acordo com um dos mais próximos a Calheiros, grande parte aposta no nome do ex-governador Ronaldo Lessa (PDT), na costura da chapa. Ao menos, é o que espera o político local que diz que “Renan não quebrará a aliança que costurou com o pedetista ainda nas eleições de 2010”.

Ronaldo Lessa avalia que sua candidatura – conforme informações de bastidores – depende muito mais de um grupo político do que dele mesmo. Ciente disso, continua próximo a Calheiros. O tabuleiro de xadrez, que tem o prefeito Cícero Almeida como uma das peças, ainda agrega Mozart Amaral, Galba Novaes e outros 10 partidos que cobiçam integrar uma frente única, que tem como dificuldade aglutinar os interesses individuais.

Há quem diga que o desconforto da bancada federal em relação às últimas (atribuídas) declarações do prefeito Cícero Almeida (PP) tenha feito com que o chefe do Executivo municipal seja visto de forma ainda mais reticente da que é visto costumeiramente, motivo pelo qual nunca se firmou na postura de cacique, mesmo com uma aprovação popular de fazer inveja a qualquer liderança política local. “Ronaldo Lessa ganhou as eleições em Maceió, no ano de 2010. Renan Calheiros não o deixaria de fora e sem direito a voz nestas composições”, colocou o político.

Almeida – por sua vez – quer ser parte ativa na indicação de seu sucessor. Quer mais: o apoio do senador Renan Calheiros, que esteve ao seu lado – na visão do prefeito – quando ninguém mais esteve. Há quem aposte ainda na candidatura de Galba Novaes (PRB). Para unificar o grupo, seria – na majoritária – Novaes e Ronaldo Lessa; Mozart Amaral e Lessa; Novaes e Amaral, enfim...combinações que estão na bolsa de apostas para sustentar o chapão! Para o peemedebista aliado de Calheiros, Ronaldo Lessa só perde o espaço e o “voto” do senador se ele mesmo quiser, ou ceder espaço!

 

Estou no twitter: @lulavilar
 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

“Nossa intenção era eleição cristalina”, diz ex-secretário Pedro Montenegro

Wadson Correia 1082009132916dsc 0393 Cicero Almeida assina nomeação de Pedro Montenegro

O ex-secretário de Direitos Humanos da gestão do prefeito Cícero Almeida (PP), Pedro Montenegro, voltou a falar sobre sua saída da pasta, na manhã de hoje, em uma coletiva improvisada na Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas. De acordo com Montenegro, o trabalho que vinha sendo desenvolvido no município estava dando certo e com – como ele mesmo afirma – resultados reconhecidos pelo Governo Federal.

Nos bastidores, se comenta que a saída de Montenegro da pasta se deu pelo fato de bater de frente com o processo de eleição dos conselhos tutelares. O ex-secretário evitou polemizar o assunto, mas respondeu a todas as perguntas de jornalistas. “Se há ingerência, eu não sei. O que eu sei é que houve denúncias na época das eleições, dando conta de campanhas milionárias, com participação de políticos. Eu fui ao Ministério Público e pedi o acompanhamento das eleições, porque nossa intenção era que o pleito fosse cristalino”, colocou.

Montenegro diz que ele mesmo teve a iniciativa de procurar o MP para fiscalizar as eleições dos conselhos tutelares, pedindo acompanhamento não só no dia do pleito, mas – como coloca o ex-titular da pasta – desde a formação das candidaturas até a computação dos votos. “Fui eu quem pediu isto ao Ministério Público”. “Minha esperança é que – mesmo com a minha saída – o MP continue fiscalizando e não permita a destruição dos conselhos, que é uma ferramenta importante para a sociedade. Nossa gestão estava estruturando estas entidades”, colocou ainda Pedro Montenegro.

Ele diz que não tem como afirmar o real motivo de sua saída, por não ter sido comunicado sobre ela “Nossa transparência na pasta estava sendo aplaudida. Não quero especular que tenha sido esta ou aquela atitude em relação aos conselhos. O nosso plano – entretanto – era referência nacional, reconhecido pelo governo federal. Eu só tenho motivo para me orgulhar”, disse. “Sei que não atendi todas as expectativas, porque seria humanamente impossível, diante do processo histórico”.

“Eu apenas não tinha soluções mágicas. Se querem soluções mágicas, terão quer ir ao circo em busca de um mágico”, disparou ainda o ex-secretário. Pedro Montenegro encerrou a entrevista com a seguinte frase: “nossa preocupação é que a semente eu plantamos dê frutos e possa possibilitar que estes sejam colhidos, independente de quem esteja na pasta. Vou ficar atento a isto, assim como os órgãos federais. Maceió já foi desabilitada em relação a políticas sociais e seria ruim se isto ocorresse novamente”.

 

Estou no twitter: @lulavilar
 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Renan Filho sobre declaração de Almeida: “Desconheço completamente o fato”

Falei com o deputado federal Renan Filho (PMDB) em relação à polêmica declaração atribuída ao prefeito Cícero Almeida (PP) sobre o fato de a bancada ficar com parte das verbas federais destinadas às obras na capital alagoana. O parlamentar peemedebista preferiu evitar polemizar o tema.

Em diálogo com este blogueiro se resumiu a seguinte frase: “não tomei conhecimento da declaração. Desconheço completamente o fato”. O deputado federal também tocou no assunto em seu micro-blog.

Em uma das frases, ele diz que a se a declaração for verdadeira, o “ônus da prova cabe a quem acusa”. E frisa: “acho que a discussão não é importante para o momento”. Em outras palavras, o peemedebista acha que se o prefeito de fato disse o que disse identifique o político, para não ficar “o dito pelo não dito”.
 

Estou no twitter: @lulavilar

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

E agora Almeida?! Quem é o cara?!

A fala do prefeito Cícero Almeida (PP) direcionada – conforme matéria do Cada Minuto – a um membro da bancada federal que estaria embolsando parte das verbas federais destinadas a Maceió e ainda pousando de bom moço nas inaugurações não é tão reveladora quanto poderia ser! Ele ainda acrescenta – na cabeça dos que acham que o fato é corriqueiro – a certeza das relações de barganha. Sem o nome revelado, joga toda bancada na “vala comum”.

A assessoria de Almeida disse ao deputado federal Maurício Quintella (PR) – conforme o próprio parlamentar – que o prefeito foi mal interpretado em sua declaração. Há postagem sobre isto neste blog. Porém, surge uma segunda matéria de outro repórter que teve acesso às gravações de áudio e reafirma que não há má interpretação alguma. Na matéria, aparece um Cícero Almeida que de fato acusa um parlamentar – ainda sem rosto e sem nome – de surrupiar verbas federais.

Os esgotos da política no direcionamento das verbas sempre foi tema – ainda que genérico – dos mais virulentos discursos de alguns políticos alagoanos, como por exemplo, da ex-senadora Heloísa Helena (PSOL). Seria de uma contribuição enorme se os nomes surgissem, pois o prefeito pode estar com a razão, pode saber mais do que nós “simples mortais”. Se a conotação do discurso do prefeito é de fato a que estão nas matérias, quem é o parlamentar (ou membros da bancada), caro Cícero Almeida, que age feito raposa em pele de cordeiro?

Os nomes revelados serão de benefício para a sociedade. Uma grande obra de Almeida a qual todos estão na espera, inclusive a própria bancada federal, que – com exceção de Maurício Quintella (PR), que foi em busca de explicações assim que soube do fato – se contenta em por “panos quentes”, em tratar o assunto vagarosamente, sem muita importância! Alguns fazem até cara de que “não foi comigo”. Será que tem mais de um – por lá por Brasília – pensando que a carapuça caiu?

A matéria do Cada Minuto – escrita por Jonathans Maresia – foi feita com acesso às gravações, assim como a de Railton Teixeira, que acompanhou o discurso in loco. Agora, é esperar o que tem a dizer o prefeito sobre o assunto.
 

 

Estou no twitter: @lulavilar

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Segunda "Conversa de Tuiteiro": importância das CEIs e CPIs

Caros amigos,

Chegamos ao segundo “Conversa de Tuiteiro” por meio da hastag #BlogdoVilar, no twitter. Para quem ainda não conhece, a ideia é promover uma interação com o leitor em discussões saudáveis, onde quem queira participar possa expressar seu ponto de vista. Para isto basta responder a pergunta colocada no meu twitter (@lulavilar), utilizando a hastag citada.

Nesta sexta-feira (dia em que ocorre o Conversa de Tuiteiro), o Blog do Vilar indagou o que – em tempos de Comissões Parlamentares de Inquéritos e Comissões Especiais de Investigação, em andamento na Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas e Câmara Municipal de Maceió – o leitor achava da efetividade e resultado destes instrumentos. Em outras palavras, se ele acreditava que as CPIs e as CEIs pudessem trazer algum resultado.

Sobre o tema, o leitor @Iran69silva destaca: “evidente que não trarão resultados práticos, já que o jogo de interesses é bem maior que o coletivo. Desavenças hoje, alianças amanhã”. A leitura mostra descrença e descredito. Mas, estes foram construídos pelos próprios parlamentos, haja vista – por exemplo – como os vereadores de Maceió sepultaram a CEI da máfia do lixo, por ter tido como alvo o prefeito de Maceió, Cícero Almeida (PP). Relação de barganha? A dúvida permanece no ar...

Porém, é válido ressaltar que – muitas vezes – os pesos dos relatórios destas comissões são de grande valia para substanciar ações judicias, quando conduzidos de forma séria, ao menos em tese. Mas, se o assunto é seriedade, o mesmo descrédito pessimista pode ser visto na opinião de @NailtonCesar, que manda: “não! Normalmente quem investiga também já está melado”. Uma prova viva de como grande parte da população segue nivelando os políticos por baixo. Eu insisto na tese de evitarmos as generalizações, apesar de reconhecer que a coisa “está feia” nos legislativos pelo país afora.

O @Sempre_Vascao assusta: “Desde quando alguma coisa dá certo em Alagoas?”. Eu não ousaria ser tão enfático. Temos um imenso poder de transformação, cobrando dos parlamentos que exerçam de fato seu papel fiscalizador. A sociedade civil organizada tem um papel inquestionável e de valiosa importância nas cobranças efetivas. Que renovemos as casas legislativas se elas não atendem aos nossos anseios. E que as ferramentas que o parlamento possui para atender a população possam ser usados para o bem, pois o Poder em si é importante, apesar dos seres que lá estão corrompidos por uma estrutura que parece imutável, mas que não é! Deputados, senadores, vereadores e outros cargos eletivos – é bom lembrar – não brotam do chão.

O amigo @Sandro_Melo_36 coloca: “Não acredito e nunca acreditei em CPIs e CEIs. Pelo simples motivo do corporativismo que existe nas Câmaras, Assembleias Legislativas e no próprio Congresso. Eles se escondem na imunidade parlamentar”. O seguidor abre um ponto importante: a questão como é usada a imunidade e como ela é entendida por nossos legisladores, mas é um papo que podemos abrir em um outro contexto. Grato pela ideia, Sandro Melo. Estão vendo? O papo é produtivo e nos leva a reflexões interessantes...

O @fleming_al coloca que a CEI da máfia do lixo – citada no início do texto – “tinha grande importância e fortes indícios de improbidade administrativa e foi sepultada pelos vereadores”, como o próprio blogueiro destacou. Eu concordo com ele e ainda reforço: um exemplo de como os instrumentos que deveriam servir para questionamentos produtivos e fiscalização são utilizados como barganha, em muitos casos. Um episódio – na utilização destas comissões – que não pode ser esquecido por ainda ter muito a ser explicado.

@CanAlmeida segue um raciocínio semelhante. Ela diz que “a julgar pela facilidade como as CEIs – e CPIs – são arquivadas, engavetadas ou simplesmente somem, acredito que não passam de moeda de troca. Afinal, CEI para ter andamento só se não tiver como alvo Executivo! O que não parece impedir acordos com empresas privadas também”. É! A amiga destaca o poder de barganha que frisei no parágrafo acima com mais propriedade. Assusta a forma como este é perceptível e como amplia a falta de credibilidade dos legisladores junto à sociedade.

O @ronadlfar além de deixar sua opinião ainda buscou o diálogo com @CanAlmeida. Ele diz que concorda com a amiga e salienta que “embora as CPIs e CEIs sejam importantes instrumentos do regime democrático para o equilíbrio entre os poderes e fiscalização do Executivo, acabam se configurando moeda de troca”. A opinião de @ronaldfar amplia o que @CanAlmeida coloca, quando frisa a importância do instrumento, sem esquecer a forma como ele é utilizado nos dias atuais.

E no meio de tanta discussão, é a @LuaBeserra que deixa um questionamento que me fez procurar na memória o resultado efetivo de uma CPI ou CEI e não encontrar. Peço para o leitor que se encontrar, comente, aponte e mostre para dar o devido espaço. @LuaBeserra encerrou a discussão de forma categórica: “nunca soube de resultado de nenhuma delas, simplesmente porque elas envolvem gente poderosa e dominante”. De forma irônica – acredito – ainda ressalta: “Brasil, país de todos”. Valeu pela discussão e até a próxima hastag #BlogdoVilar.

 

Estou no twitter: @lulavilar
 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Decreto sobre uso de recursos para Educação e Saúde é bem visto pela OAB

As novas regras impostas pelo Governo Federal para o uso de recursos públicos destinados a Educação e Saúde são bem vindas, conforme a visão do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Alagoas, Omar Coelho.

O decreto visa disciplinar os gastos e aumentar os mecanismos de controle. Uma forma de tentar acabar com a farra dos recursos federais enviados para Educação e Saúde e que já foram alvo – inclusive – de diversas operações da Polícia Federal. Recentemente: Operação Gabiru e Mascoth. Nesta última, o dinheiro da merenda era usado para comprar uísque e ração para cachorro.

O decreto foi publicado no Diário Oficial da União. De acordo com o texto, os recursos depositados serão mantidos em contas específicas – algo semelhante aos convênios – em instituições financeiras oficiais. O pagamento só sai por meio eletrônico, exceção para as quantias de pequeno vulto, mas ainda assim com rígido controle em relação a quem paga e a quem recebe.

Para Omar Coelho, é uma “boa notícia” que já deveria “ter vindo antes”. O presidente da Ordem dos Advogados salienta: “isso ajuda e muito ao controle dos gastos públicos, tanto na Saúde, como na Educação. Eu vejo com bons olhos, porque aumenta a lisura. Já era hora de acabar a forma como era feita”, colocou.

O presidente salienta que o decreto pode servir para acabar com os “cheques voando por aí”. Prática usada por muitas prefeituras municipais, como já visto ao longo da história. “Acaba com algo que era um absurdo, por isto eu afirmo que ajuda muito”.

A Controladoria Geral da União – por meio da assessoria de imprensa – reconhece a fragilidade no acompanhamento do dinheiro federal, quando se trata das transferências automáticas obrigatórias, feitas por força de lei, como no caso do SUS, Fundeb e compra de merenda escolar. Justamente os recursos que resultaram em alguns escândalos recentes.

A dificuldade se faz por não se impor a estes recursos as exigências – incluindo a suspensão de repasses – que são feitas nos convênios ou transferências voluntárias. Tem muito prefeito que se debruça sobre o novo decreto estudando como agir. Esperamos que estudem como agir para o bem! Aliás, que o decreto cumpra o que promete e que seja de fato a ajuda que Omar Coelho avalia!

 

Estou no twitter: @lulavilar
 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Quintella quer detalhes sobre suposta declaração de Almeida relacionada a emendas

CadaMinuto - Arquivo 1305030570mauricio quintella Mauricio Quintella

Uma suposta declaração do prefeito Cícero Almeida (PP) sobre o envio de emendas federais para o município de Maceió tem causado reboliço nos bastidores políticos. A informação foi divulgada pelo jornalista Railton Teixeira, em seu blog no Primeira Edição online. De acordo com a matéria, Almeida teria dito – durante pronunciamento na sessão Parlamento na Praça da Câmara Municipal de Maceió – que de toda emenda enviada, os parlamentares ficavam com parte.

O fato é que jornalistas se mobilizam em busca do áudio ou do vídeo da sessão para tentar encontrar esta declaração. Até uma agência de clipagem já foi sondada. Cobrou pelo áudio, mas disse haver falhas na gravação. Enfim! Este repórter não cobriu a sessão da Câmara Municipal in loco para atestar a declaração do prefeito, por isto relato apenas a celeuma causada.

O primeiro a se manifestar foi o deputado federal Maurício Quintella (PR), que tem o partido dentro da base almeidista, ocupando a Fundação Cultural de Maceió. Ele foi questionado em seu twitter sobre o assunto. O parlamentar disse não ter ouvido a declaração, mas que buscaria informações com o prefeito. Na noite desta sexta-feira, dia 1°, rápido em busca de esclarecimentos, Quintella informou que conseguiu um diálogo com assessores de Cícero Almeida.

De acordo com o deputado federal, Almeida teria sido mal interpretado em suas declarações. O que o prefeito teria dito é que das emendas empenhadas para o município maceioense, parte destas sofre cortes pelo próprio Governo Federal. Ou seja, não há garantias da vinda do recurso completo. O prefeito teria negado – por assessoria – que quis sugerir que os parlamentares fizessem um jogo de corrupção com as emendas federais.

Maurício Quintella disse ainda que – apesar da conversa com a assessoria – quer ainda uma manifestação do próprio Cícero Almeida, detalhando e explicando a declaração. “Vamos ouvi-lo amanhã, prometeu um esclarecimento. É o que esperamos, porque a ideia que a matéria passou foi de corrupção”, destacou o parlamentar, em seu micro-blog.

Sobre a conversa com a assessoria, Maurício Quintella destacou: “acabei de falar com a assessoria do prefeito, me disseram que houve distorção dos fatos. O que ele disse foi que quando determinado recurso é destinado pela bancada há corte (em relação ao empenhado) feito pelo governo federal”. A expectativa, portanto, é que Almeida se pronuncie o mais rápido possível sobre a polêmica.

 

Estou no twitter: @lulavilar


 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Eleições 2012: os caminhos do novo chapão ou de Almeida?

O porta-voz das novas alianças, o prefeito Cícero Almeida (PP) – segue na busca de fechar acordos para o ano de 2012. O desafio tem sido – como em todo chapão (foi assim em 2010, o que acabou dissolvendo alguns acordos ao longo do processo) - aglutinar os interesses individuais em um mesmo tabuleiro de xadrez. Mas, vale lembrar, que em uma das pontas deste “tabuleiro” está o senador Renan Calheiros (PMDB); que avisa: seu partido vai participar do processo, se não na cabeça da chapa, indiretamente.

Se isto é bom para Almeida, ou ruim para o prefeito, o futuro dirá...

Na busca pelo fecho das novas alianças, uma proposta: a dobradinha Galba Novaes (PRB) – presidente da Câmara Municipal de Maceió – e Mozart Amaral (sem partido), o homem dos sonhos do prefeito Cícero Almeida para ocupar sua cadeira. Amaral – que ocupa a pasta municipal da Infraestrutura – ainda não teve sua densidade eleitoral medida pelas urnas e - conforme alguns “especialistas” - é muito pouco tempo para se construir o sucessor de dentro do ninho almeidista.

Desta forma, nada mais natural que as declarações de Novaes, no dia de ontem, quando ao lado do prefeito Cícero Almeida (PP), disse que o chefe do Executivo era quem iria capitanear o processo de construção de uma candidatura. O presidente da Câmara é cortês, prudente e espera o resultado das negociações em andamento...sem se expor como vitrine, pois é chefe de um Poder.

Novaes disse que estaria ao lado do prefeito. Claro que vai estar, diante do atual cenário! Surpresa nenhuma, quanto a isto! Novaes pode contar com Mozart Amaral (leia-se Renan Calheiros e Cícero Almeida) ao seu lado. Quem sabe até ser o candidato a prefeito, com Amaral como vice (ou não)!

Como fica Ronaldo Lessa (PDT) nesta história?! Bem, o pedetista está livre – ao menos por enquanto – para ser candidato. O PDT – como já afirmou Almeida e o próprio Lessa – também está na reedição do “chapão”. Entre pedetistas, há a intenção clara de fazer Ronaldo Lessa prefeito. Acreditam na densidade eleitoral do ex-governador, mesmo depois das recentes derrotas nas urnas. Ronaldo Lessa – em público – já declarou que uma candidatura majoritária se constrói em grupo e não por vontade solitária; neste caso, também estaria disposto a apoiar um grupo em que ele não estivesse na cabeça. O que Lessa ganharia com isto? Uma pergunta, cuja resposta vai estar em um futuro...

Assim, Almeida luta para fazer seu sucessor, mas nem de longe é o principal nome, o principal articulador, ou o conselheiro-mor destas alianças! Pode haver até quem desfaça tudo que ele faz e ainda conte com seu aval!

O sorrido de Almeida e Galba Novaes, na mesma foto, mostra que os espaços do presidente da Câmara Municipal de Maceió estão assegurados. Colocaria do mesmo lado Renan Calheiros e Fernando Collor de Mello (PTB), que tem uma proximidade grande com Novaes.

O problema é que dialogar com Cícero Almeida, é estar ciente de que - como adora cantar Mercedes Sosa – “Todo cambia”.

 

Estou no twitter: @lulavilar
 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Um pouco de música: Ewerton Azevedo, o trovador das viagens

Reprodução 1309533902imagem

O compositor, artista plástico e escritor Ewerton Azevedo – natural da cidade de Penedo – está lançando seu terceiro CD cujo título é Razões. Azevedo se destacou em várias cidades europeias, entre elas Milão – na Itália – onde costuma expor costumeiramente.

De volta ao Estado de Alagoas, depois da peregrinação no exterior e no Sul do país divulgando o novo trabalho, Ewerton de Azevedo, se prepara para expor trabalhos na bienal alagoana, conforme ele mesmo, e para divulgar suas novas canções na Terra dos Marechais.

Ewerton de Azevedo é o autor do livro Eu, a Papola e a Cidade em Chamas, lançado em português e espanhol, quando o escritor-músico esteve na Colômbia! O trabalho alternativo de Ewerton de Azevedo chamou a atenção de amigos de Raul Seixas, como foi o caso de Sílvio Passos, com quem esteve em contato em São Paulo.

As músicas dialogam com filosofia, misticismo, teatro e a própria literatura, pela qual o compositor se diz apaixonado. Disponibilizo para os leitores a canção Razões, que é faixa-título do novo CD.

Estou no twitter: @lulavilar
 

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.
Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com