Afiliadas da Rede Globo censuram Lula

O ex-presidente Lula visitou o Nordeste, a bordo de uma caravana que mobilizou muita gente por onde passou. Em Alagoas, esteve em Penedo, Arapiraca e Maceió. Fez discurso e recebeu homenagens. Pelas imagens dos eventos, falou para multidões. Produziu um fato político de peso. Tratando-se de quem se trata, impossível não receber cobertura da imprensa.

É claro que não vou explicar por que Lula é notícia. Ninguém precisa explicar uma coisa dessas. Mas isso não valeu para o jornalismo praticado nas emissoras de TV afiliadas da Rede Globo. Lula – na pauta da imprensa mundial – não despertou o interesse dos telejornais em Alagoas e nas demais afiliadas da rede, em outros estados.

Repare no contraste. Em Julho passado, houve uma passeata em Maceió, uma dessas iniciativas algo meio patéticas, em defesa do juiz Sérgio Moro e pela prisão de Lula. Aí, sim, foi notícia nas emissoras globais, com direito a entradas na programação, fora do horário dos telejornais.

Quando a Globo toma uma decisão editorial, a regra é imposta também aos departamentos de jornalismo das afiliadas, sem que estas tenham sido sequer ouvidas a respeito. São apenas comunicadas. Sei disso por experiência própria.

Não estou defendendo uma cobertura favorável a Lula. O problema é a omissão diante de um fato que é notícia sob qualquer critério que se use. Goste-se ou não, o presidente mais popular da história brasileira é personagem central no presente e no futuro que nos espera logo adiante. Candidato em 2018 ou ameaçado de prisão, o caso Lula se impõe às manchetes. Se uma grande empresa de imprensa despreza tamanha evidência, de uma coisa sabemos: o jornalismo sucumbiu a outros interesses.

Falei de experiência própria, e explico. Durante seis anos, entre 1995 e 2001, exerci cargos de direção no jornalismo da TV Gazeta. Na relação com a Globo, conheço os métodos e a filosofia. A pauta e a abordagem de muitos assuntos são definidos bem longe da afiliada, no Rio ou em São Paulo, onde estão as mentes do comando global.

Por isso, temos o que temos. Lula veio ao Nordeste e, mesmo arrastando milhares de pessoas em muitos eventos – num país em permanente terremoto social –, nada de notícia nas afiliadas da TV Globo. Como diria um personagem de Nelson Rodrigues, muito além do Fantástico: caso sério, caso sério!

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Lava Jato vai disputar eleição 2018

Informações na imprensa confirmam as negociações entre partidos políticos e promotores da Lava Jato de olho nas eleições de 2018. Como já se especula há vários meses, Deltan Dallagnol e Carlos Fernando Lima, as duas figurinhas mais estridentes da República de Curitiba, estão a ponto de assinar uma filiação partidária. A dupla deve ingressar no Podemos, o novo nome do nanico e velho PTN.

É o caminho natural. Desde que a Lava Jato ganhou manchetes e holofotes, a dupla de colegas do Ministério Público Federal não faz outra coisa a não ser política. Não importa o assunto em debate, os dois correm às redes sociais para mais uma sessão de disparates e chiliques.

Os dois agentes públicos – que julgam e condenam sem provas, mas com muita convicção –, devem mesmo abandonar a carreira – para o bem do MP. Se a política vai melhorar com a contribuição de ambos, aí já não se pode garantir com a mesma certeza.

Ainda não é oficial, mas o sonho dos promotores seria ocupar uma cadeira no Senado. Se as alianças para isso não forem suficientes, um deles sairá para deputado federal. Tudo isso vai depender dos arranjos que as duas respeitáveis personalidades discutem com notórios caciques da politicalha nacional.

Diante do clima de fanatismo justiceiro, outros membros do MP, e também do Judiciário, estão empolgados com a alternativa de ter um mandato político. Um deles é o próprio procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Consta que sua meta seria o governo de Minas Gerais. Mas agora, no olho do furacão, nocauteado pelos fatos conhecidos, o parceiro de Joesley Batista tem muitas dúvidas.

Outro que também recebe convites de algumas legendas é o controverso (e um tanto messiânico) juiz Sérgio Moro. Assim como os parceiros de Curitiba e da Lava Jato, ele já provou que adora expelir vereditos fora dos autos. Não resiste a um click em busca de curtidas. Mais por conveniência do que por princípios, Moro deve ficar onde está.

Nesse quadro desalentador, não haveria problema nenhum em eventual debandada de promotores e juízes rumo a partidos e a eleições. Trágico mesmo é que eles continuem vestindo a toga e, ao mesmo tempo, em escancarada militância, fazendo política 24 horas por dia.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Grandiosos projetos! Mas só no papel

Vem aí a redenção econômica de Alagoas, em forma de estaleiro. Vamos construir e vender navios. Também estão garantidos aeroportos em Penedo, Arapiraca e Maragogi. Outra novidade é o Marco Zero do Turismo de Maceió, um grandioso investimento à beira-mar de Ponta Verde.

Ao longo dos últimos anos, esses e outros projetos tramados por sucessivos governos estaduais e municipais ficaram no meio do caminho. Em todas essas fraudes, houve uma perversidade em comum: muito dinheiro foi jogado fora na publicidade de algo que jamais virou realidade.

Se você pesquisar, a lista desse tipo de obscenidade vai muito longe. Agora mesmo, algum agente da máquina burocrática está em alguma biboca ou avenida jurando mais uma fantasia puramente eleitoreira. Prometer tudo e entregar espuma, eis um hábito compulsivo e indestrutível de nossa política cotidiana.

Até hoje esperamos pela riqueza advinda da exploração mineral do Agreste, outra frente de desenvolvimento para nossa economia. Assim como no caso do estaleiro, a parceria entre Estado e capital privado prometia um novo mundo a partir da mineração do solo de Craíbas.

Em outra ponta, para desafogar o trânsito da capital, a solução também reaparece, a cada temporada, nos anúncios de propaganda do governo. Não sai do papel há quase uma década – mas o marketing não falha nunca. Otimista, não vejo a hora de descer e subir toda a Avenida Fernandes Lima, flutuando sobre carros e palmeiras, nos trilhos de um VLT. Será que vai demorar?

(Como jornalista, em diferentes postos e empresas, e em outras épocas, escrevi sobre os projetos citados neste texto. Por dizer o que pensava sobre esse tipo de estelionato, mais de uma vez fui acusado por patriotas locais de ser um “alagoano do mal”).

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Um agente duplo no coração da República

Marcelo Miller, o ínclito operador do Direito que era agente duplo no circo de delações premiadas, prestou depoimento durante dez horas e saiu revoltado com um pedido de prisão contra ele. Como se sabe, a medida foi requisitada pelo desmoralizado chefe do Ministério Público Federal, Rodrigo Janot.

Miller exercia o cargo de procurador da República e era o braço direito de Janot nas negociações com o açougueiro Joesley Batista. Valendo-se dessa condição privilegiada, o versátil procurador empenhava todo o seu talento na tarefa de resolver as encrencas dos bilionários donos da JBS. Ao que tudo indica, trabalhava para o grande capital, custeado pelos cofres públicos.

É caso único? Jamais saberemos, a não ser por algum acidente de percurso, como ocorre agora. As notícias sobre o comércio de sentenças aparecem até com certa frequência, mas costumam ficar restritas aos círculos íntimos do poder. A prática acaba naturalmente protegida por pressões descomunais e códigos de sobrevivência entre os envolvidos.

É para isso, aliás, que servem as entidades e associações que representam as categorias. Com pontualidade infalível, vivem a publicar notas e notas em defesa de seus associados, de sua turma. Ao primeiro sinal de investigação sobre seus membros, lá vem uma peça de retórica e boçalidade a esgrimir lições de moral e patriotismo para todos nós.

Falta muito para que tenhamos um ordenamento jurídico que respeite princípios universais, e não apenas demandas provincianas, corporativistas e pessoais. É precisamente por isso que o terreno segue fértil ao cultivo de gente como Marcelo Miller e assemelhados.

Remédio mágico para essa aberração não existe. As armas que temos são amplamente conhecidas: a fiscalização das instituições pela imprensa e a coragem de informar. É assim porque assim é do jogo.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Censura e liberdade na democracia

Este é o Brasil das delações, dos telefones grampeados e das palestras com contratantes sigilosos. Nesse ambiente degradado, os interesses de categorias profissionais do mundo jurídico acabam prevalecendo. Em duas frentes, temos a guerra para manter e ampliar benesses e, ao mesmo tempo, vemos as artimanhas na defesa de condutas individuais pra lá de suspeitas.

Procuradores falam demais. Juízes falam demais. E, nos últimos tempos, gostam de se exibir em poltronas de cinema, com sacos de pipoca, em sessão de narcisismo descontrolado. Como escrevi em texto anterior, querem “consertar” o país segundo seus valores e prioridades específicas.  

Enquanto exercem suas prerrogativas de alcance irrefreável, muitos desses representantes da república das togas têm compulsão irresistível pela censura. É avassalador o índice de ações judiciais para calar veículos e jornalistas que ousam criticar suas excelências – magistrados e demais autoridades do Poder Judiciário.

Nas tentativas de impedir a liberdade de expressão e de imprensa, há de tudo, de norte a sul do país. Os donos da opinião alheia, eles mesmos frenéticos comentadores em redes sociais, não aceitam a dissidência. Basta uma vírgula fora do lugar, e partem pra cima dispostos a amordaçar opiniões em desacordo com seus métodos de atuação.

De Sérgio Mouro a algum jovem principiante na carreira, todos adoram exaltar o valor da democracia, desde que suas estripulias não sejam questionadas. Para impor seus pontos de vista e eliminar versões em contrário, metodologia e linguagem obedecem a um padrão. No discurso recorrente, arrogância, casuísmo e vitimização se harmonizam em nome de privilégios descabidos.   

Mas, ao contrário do que muitos repetem por aí, vivemos uma democracia plena. Como não poderia ser diferente, um regime cheio de presepadas, mas ainda assim uma democracia consolidada. Prova disso é estar aqui, escrevendo o que quero sobre um tipo de casta que, em outros tempos, teria poder de vida e morte sobre o meu (e o seu) direito de expressão. Hoje, os donos do sistema podem até se arrepiar de raiva diante da crítica. Mas são obrigados a tolerar.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

A Globo proclama a Independência

Quarenta e cinco anos depois de Tarcísio Meira puxar a espada à beira do riacho, chegou a vez de Caio Castro. Refiro-me, no primeiro caso, ao filme Independência ou Morte, dirigido por Carlos Coimbra, em 1972. A segunda referência é à novela Novo Mundo, exibida diariamente, no começo da noite, pela TV Globo.

O ator Tarcísio Meira – o D. Pedro do passado – é o impecável canastrão que, no fim daquela década, será protagonista de outro filme, mas agora do inclassificável A Idade da Terra, testamento de um alucinado Glauber Rocha. Entre uma peça de propaganda e uma visão caótica e delirante do país, ali, já estávamos num Brasil que se encaminhava para a chamada reabertura.

Após exibição nos cinemas, o filme de Carlos Coimbra, típica obra ufanista dos anos de terror da ditadura militar, foi massificado mesmo porque virou atração anual na TV Globo. Todo Sete de Setembro, a emissora apresentava a obra, na ainda hoje persistente Sessão da Tarde. Era, portanto, uma tabelinha ideologicamente perfeita, vamos dizer assim, entre o veículo chapa-branca e o regime do arbítrio, da tortura e da morte.

Os tempos mudam. E os galãs também. Mas as coisas se conectam e produzem sentido. Enquanto agora a canastrice aparece repaginada em um Caio Castro, no papel que já foi de Tarcísio Meira, a TV Globo reedita a história, em linguagem de folhetim de época, e mais uma vez proclama a independência do Brasil.

Não é uma grande ironia que esse reencontro da ficção se dê numa conjuntura explosiva, e tão particular, como esta que estamos vivendo? No noticiário, a História a quente na fogueira dos acontecimentos. No departamento de dramaturgia, na releitura do passado, uma interpretação própria, um recorte dos fatos, segundo valores em tudo discutíveis.

Em resumo, no jornalismo, muito drama com a notícia. Já na volta à crise do passado, tem muita comédia. Em toda a sua programação, o ostensivo engajamento da Globo é o aspecto mais engraçado. Ou o mais dramático, a depender do seu ponto de vista.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Troca-troca partidário é drible na lei

Não importa o terremoto de ocasião, a eleição mais próxima dita todos os rumos do agora. A pouco mais de um ano do reencontro dos brasileiros com as urnas, intensifica-se o troca-troca de partido político. A agitação se verifica em todos os estados do país e – se a gente acredita nisso – em todos os campos ideológicos.

Ministros do governo, prefeitos, governadores ou parlamentares: nomes em número cada vez mais alto anunciam que estão saindo da legenda e pulando em nova aventura. São acertos e alianças que acabam impondo um redesenho dos partidos, grandes e nanicos. Como no passado, princípios e critérios de escolha indicam o puro oportunismo em nome do sonhado voto a qualquer preço.

Pode ser o João Dória ou o Bolsonaro. Pode ser o Cícero Almeida ou o Álvaro Dias. É o vereador lá no interior do Acre e o vereador aqui de alguma cidade alagoana. A mesma farra que sempre ocorreu continua do mesmo jeito, em ritmo frenético e agressivo.

Não deveria ser mais assim desde, pelo menos, o ano de 2007. Faz uma década que o STF e o TSE restringiram a orgia entre os partidos, pondo fim à bagunça generalizada. Em tese, as normas em vigor a partir daquela época deveriam estancar a esbórnia. Ficou na teoria.

Uma das regras eleitorais em vigor prevê a perda do mandato em caso de troca de partido sem justa causa. Ocorre que as firulas do Direito e os atalhos para driblar o escrito são tantos, que a lei virou piada. A legislação é atropelada com natural regularidade, como se freio nenhum existisse para disciplinar o ambiente das disputas em 2018.

O que temos nesses dias, no exercício da política partidária, é um fenômeno semelhante ao que existe no futebol. De olho na rigidez do calendário, nada como a garantia de uma amplamente flexível “janela de transferência”. Um intervalo de tempo suficiente para garimpar bons e sadios negócios.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

O pânico e o choro de Rodrigo Janot

A gravidade e o ineditismo do caso exigem mais algumas palavras sobre o escândalo JBS-PGR. Vamos tentar entender por que Janot revelou informações que são implacavelmente destrutivas contra ele mesmo. Segundo a revista Época, horas antes das revelações, o homem teve até uma crise de choro. Nem tudo tem explicação, mas as lágrimas de Janot, sim, podem ser explicadas.

Uma milenar tática de combate recomenda a antecipação de ações, mesmo que tal iniciativa não seja a opção natural, e possa causar estragos laterais àquele que se vê obrigado ao recurso um tanto quanto temerário. Como se pensa desde a pré-história, dos males, fiquemos com o menor. Parece cada vez mais evidente ter sido isso o que ocorreu com Rodrigo Janot, o falastrão procurador-geral da República.

Segundo os fatos até agora revelados, a gravação do açougueiro Joesley Batista viria a público de qualquer jeito. O conteúdo, desmoralizante para todos os envolvidos, já estava em mãos de gente na Polícia Federal. Era coisa de pouco tempo para que a PF anunciasse o que agora sabemos.

Em pânico, diante da real possibilidade de aparecer como alvo na provável narrativa da Polícia Federal, Janot percebeu que não lhe restara alternativa. Ou fazia de conta – como efetivamente acabou fazendo – que acabara de descobrir fatos gravíssimos ou estaria exposto a acusações instantâneas. Na iminência de um vexame ainda maior do que este que aí está, convocou entrevista coletiva e expôs toda aquela verborragia. Com a empáfia de sempre, tentou dissimular o quadro patético que suas palavras foram pintando a cada frase.

Portanto, emaranhado em suas próprias armações, Janot se convenceu, ainda que contrariado, de que a única saída seria ele próprio contar tudo. Mas, para complicar ainda mais sua posição, de tão desesperado, acabou falando demais ao envolver ministros do STF no relato das suspeitas. Quando a gravação apareceu, viu-se que nada do que é dito compromete os membros do Supremo. O detalhe bizarro mostra o quanto o procurador estava perdido, apostando no vale-tudo para se livrar da enrrascada.

Se existe algum alívio, alguma coisa a comemorar na gestão de Rodrigo Janot, é que seu mandato já chegou ao fim – antes mesmo do prazo formalmente previsto. Que a procuradora Raquel Dodge reconduza a PGR ao caminho da honradez e da seriedade institucional.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Um procurador em estado terminal

Joesley Batista e Rodrigo Janot: Uma relação que não era amistosa. Como escrevi no texto anterior, essa frase apareceu durante o dia, em reportagens da Rede Globo, na cobertura que a emissora faz do escândalo JBS-PGR. Ouvi isso no Bom Dia Brasil e no Jornal Hoje. Pois durante o Jornal Nacional, na noite desta quarta, a expressão estava lá, de novo, em mais uma reportagem sobre o caso.  

É mesmo uma decisão editorial elevada à condição de paradigma na abordagem global sobre a bandalheira em questão. E, para a TV Globo, não importa que sua escolha atropele os fatos e a lógica. Com descaramento insidioso, a afirmação tenta o impossível: limpar a postura degradante do senhor Janot em tudo isso.

No mundo real, porém, a situação do ainda procurador-geral é de uma desmoralização irrecuperável. Respirando por aparelhos, o especialista em flechas e bambu fantasia – para ele mesmo e para setores da imprensa – que continua no comando. Com a moralidade em estado terminal, delira que lhe resta alguma credibilidade para apontar seu dedo suspeito e denunciar quem quer que seja.

Leio também outra notícia que confirma o cinismo delirante desse ridículo chefe do Ministério Público Federal. Depois de se assanhar como pré-candidato ao governo de Minas Gerais em 2018, ele agora estaria disposto a uma nova tarefa em defesa de um Brasil decente. Segundo a Veja, o homem pretende trabalhar no combate à corrupção nas empresas privadas. Sendo isso verdade, poderia completar a piada como funcionário da JBS.

Se as coisas seguissem o rumo da normalidade – o que não é o caso, pelo que vemos –, Janot deveria responder a um processo por seus atos obscuros, decididamente fora da ordem legal. Mas, até agora, ainda conta com o socorro de pesos pesados, na imprensa e em outras instâncias, dispostos à deplorável tarefa de torna-lo inimputável frente a todas as mazelas que perpetrou.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Globo tenta salvar pescoço de Janot

Dois dias depois da desmoralização de Rodrigo Janot – o patético arqueiro do Ministério Público Federal –, parte da chamada grande imprensa tenta salvar o que resta do ainda procurador-geral da República. Entre aqueles que tocam uma cobertura favorável ao melancólico personagem, o mais engajado, sem dúvida, é o grupo Globo.

Pelo menos duas evidências ficaram visíveis nesta quarta-feira. Uma delas apareceu em reportagens nos telejornais da Rede Globo, especificamente no Bom Dia Brasil e no Jornal Hoje. Apesar do teor escandaloso das gravações com a conversa de Joesley, ressalta o texto na boca de repórteres globais: A gravação mostra que as relações de Joesley com Janot não eram amistosas.

Tal afirmação não passa, no mínimo, de uma nebulosa e forçada interpretação, sem qualquer indício que justifique a taxativa conclusão do jornalismo global. Aliás, isso é secundário diante das barbaridades vomitadas na conversa do açougueiro. Mas a escolha dos editores está rigorosamente de acordo com a postura da emissora ao longo de todo esse processo.

Uma segunda evidência é ainda mais eloquente. Nesta quarta, dos três jornalões do país, O Globo foi o único a levar para sua manchete a denúncia de Janot contra nomes do petismo, deixando em segundo plano o escândalo da gravação entre os meliantes da JBS. Este sim o assunto que exige prioridade inequívoca como destaque principal de primeira página, como fizeram a Folha e o Estadão. Eis a manchete no Globo: Janot denuncia Lula, Dilma e PT por organização criminosa.

Não bastasse a opção da manchete, o jornal carioca também usa o editorial de sua edição de hoje para elogiar o decadente procurador. Decisão de Janot fortalece delação premiada é o título fantasioso do texto que exalta a entrevista coletiva da última segunda-feira, quando o procurador-geral confessou o descalabro de seu acordo com os irmãos Batista.

Não. Como percebe qualquer analista com um mínimo de respeito aos fatos, as revelações de Janot produzem efeito contrário ao que diz o editorial, ou seja, enfraquecem o instrumento da delação. A posição de O Globo é uma flagrante distorção da realidade.

Vem muito mais por aí. Na abordagem jornalística do gigantesco escândalo, novas frentes de batalha estão apenas começando. Os próximos capítulos devem mostrar para onde vai a guerra de versões na imprensa brasileira.

Deixe seu comentário Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.
Comercial (82) 3313.6040 (82) 99812.2189 comercial@cadaminuto.com.br
Redação (82) 3313.2162 (82) 99664.2221 cadaminutoalagoas@hotmail.com